Selo Vegano: o que é e como funciona

Atualmente são mais de 2 mil produtos certificados, de mais de 140 empresas diferentes, um aumento de 132% em relação a 2018

P U B L I C I D A D E

Olhar todos os ingredientes da composição de um determinado produto antes de comprá-lo pode ser muito cansativo. Por isso, consumidores veganos estão sempre procurando por produtos que podem ser facilmente identificados como veganos, sem que o trabalho para conferir a composição seja tão grande. Pensando nisso, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) lançou em 2013 o programa de certificação “Certificado Produto Vegano SVB”, que confere aos produtos um selo confiável.

O chamado “Selo Vegano” é um programa que analisa e certifica produtos de
diferentes segmentos (alimentos, produtos químicos, de limpeza e higiene e calçados),
garantindo a origem vegana do produto final.. Uma pesquisa do Ibope de 2018 revelou que 55% dos brasileiros declararam que consumiriam mais produtos veganos se eles estivessem melhor identificados na embalagem. Ou seja, esse tipo de iniciativa é importante para favorecer o mercado vegano, que já vem crescendo em 40% ao ano, segundo dados coletados pela Folha de S. Paulo em 2016.

P U B L I C I D A D E

De acordo com Maria Eduarda Lemos, gerente de certificação da SBV, o número de produtos certificados aumenta, acompanhando o mercado: “Hoje, o selo vegano da SVB, é o maior e mais antigo programa de certificação vegana no Brasil, e atualmente temos mais de 2 mil produtos certificados, de mais de 140 empresas diferentes – que representa um aumento de 132% em relação ao volume de produtos certificados no ano passado”.

A certificação dos produtos é feita a partir de três critérios básicos. É necessário que o
produto final e seus ingredientes não sejam de origem animal, e que o produto final e
os ingredientes não tenham sido testados em animais, com base na regulamentação
europeia (EU Cosmetic Regulation – EC 1223/2009).

P U B L I C I D A D E

Vale ressaltar que o Selo Vegano é oferecido ao produto, e não à empresa marca. Logo, qualquer empresa pode solicitar a certificação. De acordo com a SVB, a
presença não intencional (traços) de um ingrediente de origem animal não é um
impeditivo para o processo, se os critérios estabelecidos forem cumpridos. Por isso, o
Selo Vegano não é um parâmetro para alérgicos.

A SBV afirma que a iniciativa tem como principal objetivo fomentar o mercado vegano e diminuir a demanda por produtos de origem animal. Por isso, não é necessário que a empresa seja completamente vegana para que o produto adquira o selo. “O ponto mais importante neste processo é que as empresas de diferentes segmentos e porte estão criando alternativas aos produtos de origem animal, com produções em diferentes níveis de escala para atender à demanda, otimizando preços para que o produto seja competitivo, com fortes canais de distribuição”, afirma Maria Eduarda. Segundo ela, isso favorece “o acesso a cada vez mais pessoas, que muitas vezes ainda não conhecem os conceitos do vegetarianismo/veganismo, e acabam se interessando em conhecê-los melhor através da compra de um novo produto”.

P U B L I C I D A D E