Reprodução

P U B L I C I D A D E

O governo de Jair Bolsonaro não aderiu a um projeto da Organização das Nações Unidas (ONU) com mais de 60 países em prol do reconhecimento internacional do direito a um meio ambiente seguro, limpo e sustentável. A iniciativa foi lançada nesta semana e contou com adesão de todos os parceiros do Mercosul, assim como Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Panamá e Peru.

Na Europa, o projeto também teve a assinatura de países como Suíça, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, França, Itália e Espanha. As informações são da coluna de Jamil Chade, no UOL.

P U B L I C I D A D E

No lançamento do projeto, o governo da Maldivas falou em nome do grupo de países e lembrou que o direito a um meio ambiente saudável e sustentável é reconhecido por mais de 155 países e que existe um consenso da necessidade de transformar tal postura em um compromisso internacional.

“É nosso entendimento que um meio ambiente sustentável faz parte integral dos direitos humanos”, disse. O grupo considera que o reconhecimento internacional do direito ao meio ambiente ganharia “uma repercussão importante para as futuras gerações”.

P U B L I C I D A D E

Cerca de 50 organizações e ambientalistas criticaram a ausência do Brasil na iniciativa, como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Comissão Pastoral da Terra, Coordenação Nacional da Articulação de Quilombos, Conselho Indigenista Missionário, Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos, Justiça Global, Rede de Cooperação Amazônica e outras.

P U B L I C I D A D E

Luísa Fragão
Jornalista e estudante de Ciências Sociais na FFLCH-USP. Vegetariana desde os 16 anos. Acredita que a vida sem crueldade animal é muito mais ética, sustentável e saudável. É subeditora do Portal Veg.