Foto: Agência Brasil

P U B L I C I D A D E

Professor da USP, relator do Plano Diretor e ex-secretário de Cultura de São Paulo, Nabil Bonduki alerta em artigo publicado nesta segunda-feira (10) na Folha de S. Paulo que, se não for alterado o modelo urbanístico da capital paulista, as enchentes não só se repetirão como se tornarão mais intensas.

A cidade iniciou a semana em meio ao caos. Por conta das fortes chuvas ao longo do dia, o Corpo de Bombeiros recebeu 7.650 chamadas de emergência, sendo 932 por enchentes, 166 por desabamentos ou desmoronamentos e 182 por quedas de árvores.

P U B L I C I D A D E

Para Bonduki, a situação tende a gravar na medida em que São Paulo negligencia as mudanças climáticas e não se adequa a um modelo urbanístico mais sustentável.

“No caso de São Paulo, esse modelo urbanístico se caracteriza por uma mancha urbana que cresceu sem respeitar o meio físico. O solo foi excessivamente impermeabilizado e áreas verdes foram destruídas. A arborização foi negligenciada em meio a ruas estreitas e repletas de fiação aérea”, afirma o arquiteto.

P U B L I C I D A D E

“As várzeas do Tietê e do Pinheiros, que deveriam ter sido transformadas em parques após a retificação dos rios, foram ocupadas por uma urbanização selvagem. Não por acaso, a Ceagesp e outras áreas junto à marginal do Pinheiros estão inundadas”, continuou.

Bonduki então alerta que, se não for alterado o modelo urbanístico da cidade, a tragédia se repetirá. “O problema é estrutural e exige mudanças mais profundas”, finaliza.

P U B L I C I D A D E