Indígenas do povo Guarani Mbya no Pico do Jaraguá (Reprodução/Facebook)

A ONG Global Witness divulgou um relatório na noite desta terça-feira (28) que classificou o Brasil como o terceiro país do mundo que mais mata ativistas ambientais. Ao menos 24 pessoas foram assassinadas em 2019, quatro a mais que em 2018. Em primeiro lugar está a Colômbia, com 64 assassinatos, seguida pela Filipinas, com 43.

De acordo com reportagem do El País, a ONG registrou ao menos 212 assassinatos em todo o mundo, dois terços deles somente na América Latina. Até 2017, o Brasil liderava entre os países mais letais para os ativistas ambientais, ano em que foram registrados ao menos 57 mortes.

O relatório destaca ainda que, em 2019, 90% dos assassinatos ocorreram na Amazônia. Um dos casos que ganhou destaque na mídia foi a morte de Paulinho Guajajara em um atentado a tiros no Maranhão. O indígena tinha 26 anos e era uma importante liderança da região.

Além disso, de acordo com a ONG, o Brasil “surpreendentemente representou um terço da perda de florestas tropicais do mundo em 2019″. No primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, os incêndios na Amazônia subiram 30%, a maior parte deles em áreas protegidas e terras indígenas.