P U B L I C I D A D E

A paraibana Regina Tchelly chegou ao Rio de Janeiro há 20 anos e ficou chocada com a quantidade de comida que era jogada fora nas feiras livres. “Lá a gente não via isso, dava para os animais domésticos, fazia a compostagem no chão, plantava. A comida era muito bem aproveitada.” Regina cresceu vendo a avó plantar arroz vermelho, macaxeira, entre outros. “A comida de verdade sempre esteve presente na minha vida.”  

Com a intenção de evitar o desperdício, Regina, que trabalhava como empregada doméstica, começou a testar receitas e aproveitar aqueles alimentos que, segundo os feirantes, “nem os porcos queriam”, como talos, cascas e folhas. Dessa vontade e sonho, nasceu a iniciativa Favela Orgânica, em 2011, nas comunidades Babilônia e Chapéu Mangueira, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. O projeto começou com o apoio da vizinhança que doou R$ 140.

P U B L I C I D A D E

“O Favela Orgânica é um projeto que trabalha com o ciclo da vida e o ciclo do alimento, é a gente devolver para a terra o que a terra nos dá. É a gente observar o nosso consumo”, disse Regina, quando participou do TEDxSãoPaulo.

Regina explicou, em entrevista ao programa do Projeto Comutah, que o ciclo do alimento consiste em “multiplicá-lo, ou plantando, ou aumentando a quantidade no prato ou devolvendo para a terra o que ela merece, não desperdiçando”.

P U B L I C I D A D E

A iniciativa já levou palestras e oficinas a diversos estados do Brasil, espalhando a mensagem sobre a importância de mudar a relação das pessoas com os alimentos, ensinando como garantir seu aproveitamento total, focando no consumo consciente, na compostagem caseira e em hortas em pequenos espaços, combatendo o desperdício e a fome.

O Favela Orgânica também oferece cardápios de gastronomia alternativa para eventos e capacitação profissional.

Uma ação recente para democratizar a gastronomia consciente foi pintar muros do Morro da Babilônia com alimentos orgânicos e receitas. Entre elas, a de bolo de casca de banana com pão dormido.

Veja a seguir algumas receitas para aproveitar cascas, talos e sementes. E veganas!

BOLO DE BAGAÇO DE MILHO

Receita para 06 pessoas

Ingredientes:

Bagaço de 4 espigas de milho
1 xícara de açúcar mascavo
2 xícaras de coco ralado
3 colheres (sopa) de semente de linhaça
9 colheres (sopa) de água morna para hidratar a linhaça
1 xícara de farinha de trigo
½ xícara de água
½ xícara de óleo de girassol
1 colher (café) de canela
1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de preparo:

  1. Misture a linhaça com a água morna e deixe hidratar por 10 minutos.
  2. Retire o milho das espigas e triture no liquidificador com um pouco de água. Depois, transfira para uma peneira grande para separar o líquido. Reserve o bagaço.
  3. Numa tigela grande, misture o bagaço de milho com o açúcar mascavo e o coco ralado. Em seguida, junte a linhaça hidratada, a farinha de trigo, a água, o óleo de girassol, a canela e, por fim, o fermento, mexendo delicadamente para incorporar cada ingrediente à massa.
  4. Transfira a massa para a fôrma de bolo, polvilhe com açúcar, coco ralado e canela, e leve ao forno para assar por cerca de 40 minutos. Espete um palito para saber se o bolo está bom. Se o palito sair limpo, é sinal de que o bolo já está assado e pode ser retirado do forno.
  5. Deixe esfriar antes de desenformar, e pronto! Já pode se deliciar!

ARROZ COLORIDO

Ingredientes:
3 talos de brócolis
1 xícara de casca de abóbora ralada
2 xícaras de arroz dormido
2 xícaras
1 xícara de talos de agrião picados
alho a gosto
azeite a gosto
1 cebola média
manjericão a gosto
sal a gosto
cheiro verde a gosto
açafrão a gosto
Modo de preparo:
Para fazer a higienização de cada ingrediente, prepare 1 litro de água com 1 colher de sobremesa de bicarbonato de sódio. Lave em água corrente cada ingrediente e deixe de molho de 10 a 15 minutos. Corte todos os ingredientes em pedaços pequenos.
Refogue o alho e a cebola com azeite e acrescente os ingredientes aos poucos. Cozinhe por 5 minutos e já está pronto.
Serve: 5 porções

P U B L I C I D A D E

Dri Delorenzo
Jornalista, vegetariana desde criança quando descobriu que carnes, na verdade, eram animais mortos. Cresceu ouvindo as perguntas "mas o que você come" e "como você substitui". Hoje fica muito feliz com o crescimento do veganismo. É editora do Portal Veg.