Cidade de Wuhan, epicentro onde surgiu o Coronavírus (Reprodução/Twitter)

P U B L I C I D A D E

A Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) determinam a proibição de venda de animais selvagens vivos em mercados tradicionais em todo o mundo. O pedido foi feito em comunicado enviado nesta terça-feira (13) aos governos. A informação é de Jamil Chade, no UOL.

No texto, as entidades alertam sobre os riscos da venda de animais vivos e pedem que a proibição seja adotada como um protocolo de emergência. As autoridades associam a prática com o surgimento de surtos de transmissão de vírus entre animais e humanos.

P U B L I C I D A D E

“Os animais, particularmente os animais selvagens, são a fonte de mais de 70% de todas as doenças infecciosas emergentes em humanos, muitas das quais são causadas por novos vírus”, diz o documento.

“Os mamíferos selvagens, em particular, representam um risco para o surgimento de novas doenças. Eles chegam aos mercados sem nenhuma maneira de verificar se transportam vírus perigosos”, alertam as entidades.

P U B L I C I D A D E

“Há um risco de transmissão direta aos seres humanos a partir do contato com a saliva, sangue, urina, muco, fezes ou outros fluidos corporais de um animal infectado, e um risco adicional de pegar a infecção a partir do contato com áreas onde os animais são alojados em mercados ou objetos ou superfícies que poderiam ter sido contaminados com tais vírus”, disse.

A OMS, no entanto, não reconhece que o mercado de Wuhan, na China, tenha sido a origem do surto de Covid-19. Para a entidade, o vírus poderia estar circulando antes mesmo dos casos identificados no local.

P U B L I C I D A D E

Luísa Fragão
Jornalista e estudante de Ciências Sociais na FFLCH-USP. Vegetariana desde os 16 anos. Acredita que a vida sem crueldade animal é muito mais ética, sustentável e saudável. É subeditora do Portal Veg.