Foto: Prefeitura de Maceió

Um grupo de cientistas descobriu uma bactéria que é capaz de quebrar e se alimentar das moléculas tóxicas e cancerígenas liberadas do plástico em estágio de decomposição. A Pseudomonas foi encontrada em um depósito de lixo e é a primeira de que se tem notícia a atacar o poliuretano.

A descoberta é o primeiro passo para que a bactéria possa ser utilizada no tratamento do plástico jogado no lixo. Contudo, já se sabe que a Pseudomonas consegue aguentar condições adversas, como altas temperaturas e ambientes ácidos.

Ao atacar o poliuretano, a bactéria transforma esse material como fonte de carbono, nitrogênio e energia.

O cientista Hermann Heipiper, do Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental-UFZ de Leipzig, na Alemanha, disse em entrevista ao jornal britânico The Guardian que pode levar dez anos para que a bactéria seja usada em larga escala e que, enquanto isso, é essencial reduzir o uso de plástico de difícil de reciclagem.