Foto: Marizilda Cruppe/Anistia Internacional

Mesmo com causas e características diferentes, os impactos dos incêndios na Amazônia e na Austrália podem ser comparados e, inclusive, são similares. Em quase quatro meses de incêndios, 48.583 km² foram queimados na Austrália. No auge das queimadas na Amazônia, entre agosto e setembro, o fogo destruiu 41.197 km² de floresta, segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Dessa forma, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mentiu nas redes sociais ao dizer, na sexta-feira passada (3), que a Austrália queimou “quase 6 vezes mais” do que a Amazônia. Ministro usou o número falso para dizer que “certas ONG’s e alguns jornalistas só se importam em falar mal de seu próprio país e, claro, sempre contra o Governo. Seletividade absoluta”.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o gráfico usado por Salles foi feito por uma repórter de dados do portal Statista, que por sua vez usou uma reportagem da BBC News como fonte para informações sobre queimadas. Após ser questionado, o jornal confirmou que o dado estava errado.

O Inpe aponta que 70.698 km² foram destruídos no bioma amazônico entre janeiro e novembro de 2019, apesar do incêndio não fazer parte do ecossistema amazônico. As queimadas, no geral, ocorrem nos períodos secos da floresta, mas são ocasionados principalmente por conta do desmatamento na região.

Já os incêndios fazem parte do ecossistema australiano, onde mais de 80% das florestas nativas são compostas por eucaliptos e acácias. Em muitas regiões do país, o fogo ocorre naturalmente, principalmente pela incidência de raios.

Confira: