Rovena Rosa/Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), sancionou nesta segunda-feira (13) a lei que proíbe o uso de copos, pratos e talheres de plástico na capital, além de agitadores para bebidas e varas para balões de plásticos. A partir do dia 1º de janeiro de 2021, bares, restaurantes, supermercados, food trucks e comércios de qualquer tipo não poderão mais fornecer o material.

A expectativa é que esse tipo de lei alcance o estado como um todo, graças a norma semelhante aprovada pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Além disso, ainda neste mês, a prefeitura da capital paulista deve regulamentar a lei aprovada em junho do ano passado que proíbe o fornecimento de canudos de plástico.

Covas disse que antes mesmo da regulamentação, a proibição dos canudos já tem gerado impactos positivos na cidade. “Ainda sem mesmo a regulamentação ter saído, hoje, praticamente, não se acha mais canudo que não seja biodegradável ou de outra alternativa na cidade. Porque, muito mais do que a sanção pecuniária ou a fiscalização, a lei transformou a cultura da nossa população”, disse.

A ideia por trás dessa nova lei é de que cada vez mais a população adote como hábito o uso de materiais biodegradáveis e reutilizáveis, de forma a produzir menos lixo de lenta decomposição. Atualmente, cerca de 16% do lixo gerado por São Paulo é de plástico em diferentes formas, de acordo com relator do projeto, o vereador Xexéu Tripoli (PV).

Levantamento do WWF com dados do Banco Mundial aponta que o Brasil é o quarto maior produtor de lixo plástico do mundo, com 11,3 milhões de toneladas por ano.