Bruno Cecim/ Fotos Públicas

Dados da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron), divulgados nesta quarta-feira (15) pela Anistia Internacional, mostram que houve uma forte expansão da pecuária bovina em áreas protegidas da região amazônica durante o governo Bolsonaro.

Entre novembro de 2018 e abril de 2020, o número de bovinos na região subiu de 125. 560 para 153. 566 animais, cerca de 22% apenas neste período.

A expansão da pecuária em áreas protegidas atingiu terras indígenas na Amazônia, que perderam 497 km² de floresta entre agosto de 2018 e julho de 2019, um aumento de 91% em relação ao período anterior.

O aumento expressivo de pastos na região amazônica ocorre desde 1988. Daquele ano até 2018, o número de bovinos na região quase quadruplicou, chegando a 86 milhões, o que representa 40% do total nacional. Ao todo, 63% da área desmatada entre 1988 e 2014 transformou-se em pastagem para gado