A revista Time divulgou os seis favoritos para o Nobel da Paz de 2019. Dentre eles, um líder indígena brasileiro: Raoni Metuktire. Ao longo de sua trajetória, o cacique se tornou um nome importante dentro do movimento indígena e ambientalista, e vem se opondo fortemente à política ambiental do governo Bolsonaro.

Raoni Metuktire se aproxima dos 90 anos e é cacique do povo caiapó, grupo indígena que habita a Floresta Amazônica brasileira. Embora tenha sido, desde cedo, uma figura importante e guerreira dentre o seu povo, Raoni começou a se envolver com assuntos externos quando se encontrou com os irmãos Villas Boas, em 1954, e aprendeu a língua portuguesa. Assim, passou a se envolver cada vez mais com a luta pela defesa de seu povo e contra o desmatamento da floresta.

Em 1977, teve um documentário a seu respeito lançado no festival de Cannes e ganhou notoriedade internacional em 1989, ao percorrer 17 países com o cantor britânico Sting, em uma campanha pela criação do Parque Nacional do Rio Xingu. A reserva foi homologada em 1993, e Raoni se tornou um nome de grande relevância nas lutas indígena e ambiental, no Brasil.

O cacique dedicou, então, sua vida ao ativismo pelos direitos do seu povo, opondo-se, também, contra a construção da Usina de Belo Monte, autorizada em 2009.

Após se opor à política ambiental de Bolsonaro, Raoni lamentou, em vídeo na internet, que o presidente não concordasse em se encontrar com ele. Já em setembro, Bolsonaro atacou o cacique em seu discurso na 74ª Assembleia Geral da ONU. “A visão de um líder indígena não representa a de todos os índios brasileiros. Muitas vezes alguns desses líderes, como o Cacique Raoni, são usados como peça de manobra por governos estrangeiros na sua guerra informacional para avançar seus interesses na Amazônia.”

A situação gerou um movimento em sua defesa e apoio, que defende também a sua indicação para o Prêmio Nobel por meio de redes sociais.

No início do mês de outubro, o ex-deputado federal Jean Wyllys retirou sua candidatura ao Prêmio Sakharov em favor do cacique Raoni. O Sakharov é um prêmio atribuído pelo Parlamento Europeu a pessoas que lutam ou lutaram pelos direitos humanos. Marielle Franco também é uma das finalistas.